Conheça os tipos de cicatrizes de acne e saiba como tratar

Conheça os tipos de cicatrizes de acne e saiba como tratar!

Conheça os tipos de cicatrizes de acne e saiba como tratar

As acnes são um problema bastante comum que afeta pessoas de todas as idades. Confira os diferentes tipos de cicatrizes causadas e as opções de tratamento mais adequadas.

Diferentemente do que diz o senso comum, a ocorrência de espinhas e acnes não ocorre somente na adolescência, mas afetam também adultos e idosos. Esses fenômenos ocorrem quando há a obstrução de folículos pilosos por sebo e células mortas.

Esse processo acaba por danificar o tecido da pele a partir do surgimento de espinhas e cravos — as principais lesões provocadas pela acne. Quando a pessoa cutuca ou tenta espremer as acnes, acaba por gerar cicatrizes que podem permanecer por um longo tempo na pele. Por isso, se você sofre com acnes, antes de procurar produtos de tratamento, veja os tipos de acne e como tratá-los.

Conheça os tipos de cicatrizes de acne e saiba como tratar

Atróficas 

Esse tipo de cicatriz é marcada pela perda de tecido e faz afundamento e depressões na pele. Já as não distensíveis continuam visíveis qualquer que seja a manipulação feita sobre a pele.

As atróficas são divididas em dois grupos. Um deles é o distensível, que desaparece quando a pele é esticada, pois possui menos fibra e são mais superficiais.

Para esse tipo de cicatriz, existem diferentes tipos de tratamento, como a subcisão (o levantamento da pele com agulha), a radiofrequência (havendo ou não a associação entre aparelhos), abrasão mecânica ou com aparelhos de laser e peeling médio. 

Um último tratamento disponível é a técnica de CROSS, que consiste em aplicar um ácido bastante forte para renovar a pele, causar inflamação e incentivar a formação de colágeno para levantar a cicatriz. Essa técnica é finalizada com uma complementação feita com preenchedores.

Outra técnica possível é o preenchimento, que aplica ácido hialurônico na face, principalmente em pontos de fibrose, que causam as depressões. A principal vantagem desse tratamento é uniformizar a pele.

Leia também: Conheça o delicioso café com proteína

Hipertróficas

Conheça os tipos de cicatrizes de acne e saiba como tratar

As hipertróficas são cicatrizes aumentadas e avermelhadas que permanecem no local do machucado, o que causa um aumento do relevo. Às vezes, esse tipo de cicatriz pode surgir entre duas acnes próximas conectadas por um caminho fibroso,  que eleva a região como um todo. É comum que esse tipo de cicatriz também seja mais endurecida.

Para remover esse tipo de cicatriz, é preciso investir em procedimentos que a atrofiem. Como se trata de uma marca que apresenta relevo, os tratamentos buscam nivelar a cicatriz à textura da pele o máximo possível. Alguns exemplos são microagulhamento (que é capaz de chegar até camadas mais profundas da cicatriz), lasers e, em casos mais crônicos, microcirurgias.

Queloides 

As queloides são cicatrizes que adquirem um relevo muito maior do que o apresentado pela lesão inicial. Isso ocorre pois o organismo não cessa o estímulo à produção de colágeno. Quadros de queloide são fortemente influenciados por fatores genéticos. Esse tipo de cicatriz também costuma apresentar um aspecto avermelhado, especialmente nas primeiras semanas.

Quando as queloides são mais elevadas, é preciso remover o excesso de pele com cirurgia e, então adotar, outros métodos. Se a queloide estiver no rosto (casos menos comuns) não se pode retirá-la cirurgicamente e é necessário um(a) profissional experiente para avaliar como tratar essa cicatriz. 

Uma opção possível é reduzir a cicatriz com técnicas cirúrgicas e, depois, adotar outros tratamentos. Em alguns casos, pode ser necessário infiltrar corticoide,  microagulhamento para reorganizar o colágeno ou realizar sessões a laser.

A análise do melhor tratamento deve considerar fatores como a área em que a acne se localiza, o número de lesões, o tipo de pele do paciente e doenças associadas (como diabetes, entre outras).

Vale enfatizar que a cicatrização resulta da formação de um novo tecido e qualquer interferência nesse processo pode acarretar a formação de cicatrizes mais pigmentadas e alargadas, cujo tratamento pode ser mais difícil. 

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.