Cidades brasileiras que mesclam conservadorismo coloquial com rebeldia

Cidades brasileiras que mesclam conservadorismo coloquial com rebeldia

Cidades brasileiras que mesclam conservadorismo coloquial com rebeldia

Quem teve a oportunidade de conhecer cidades brasileiras mais antigas, pôde perceber que em muitas delas é possível perceber dois “mood” totalmente opostos, o conservadorismo coloquial e a rebeldia.

Esse fenômeno pode ser facilmente explicado por uma perspectiva histórica, que consiste em de um lado temos recebido influências, artísticas e arquitetônica europeias, afinal o Brasil foi colonizado por Portugal, e na outra ponta, termos povos indígenas e até mesmo ativistas tentando fazer com que “Ilha de vera Cruz” se libertasse do império português.

Por esta razão esses dois sentimentos estão presentes em cidades, principalmente nas fundadas a partir do século XVII, ao mesmo tempo em que temos monumentos tombados que remetem à Portugal, temos elementos que remetem à lutas políticas. O que de fato torna essas cidades mais que especiais, intrigantes.

“Quais são as cidades históricas brasileiras? ”, talvez você esteja se perguntando. Ficou curioso para saber mais sobre estes lugares? Vamos conhecer alguns deles embarcando em uma viagem virtual e cronológica!

Cinco cidades históricas, palco de lutas políticas no Brasil

Salvador

Cidades brasileiras que mesclam conservadorismo coloquial com rebeldia
Pelourinho, Salvador – Bahia. Arquivo pessoal Jason Brum

Muitos jovens que vão à Salvador brincar o carnaval talvez nem imaginam que muitos fatos históricos importantes aconteceram na capital baiana. A Conjuração Baiana é um deles.

Popularmente conhecida como “Revolta dos Alfaiates”, ela aconteceu em 1798. Com os objetivos claros de separar a Bahia, Portugal e “enterrar” a escravatura e atender as demandas dos povos mais pobres e oprimidos.

É uma revolução que embora tenha recebido influências da França, foi aderida em sua maioria por populares que estavam bem distante da burguesia, brancos pobres, negros livres e mestiços, que trabalhavam como pedreiro, sapateiros ou outras profissões manuais menos remuneradas ou com menos prestígio para a época.

Contudo os líderes eram alfaiates. Em 1799 as quatro pessoas responsáveis por liderar a Conjuração Baiana foram condenadas à morte, eram elas: Lucas Dantas, Manoel Faustino, João de Deus e Luiz Gonzaga. 

Ouro Preto 

Cidades brasileiras que mesclam conservadorismo coloquial com rebeldia
Ouro Preto – MG. Créditos: Arquivo/Mais Minas.

Conhecida também como Vila Rica, está é uma cidade com um potencial histórico gigante que devido a sua preservação foi a primeira cidade brasileira a receber o título de Patrimônio Cultural da Humanidade, pela Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (UNESCO).

Além de abrigar muitas igrejas católicas no estilo barroco rococó e classicistas, Ouro Preto também foi palco de uma grande revolução brasileira, a Inconfidência Mineira, que teve como principal líder e hoje mártir Joaquim José da Silva Xavier, o Tiradentes.

A, também denominada, Conjuração Mineira, foi um movimento separatista que visava principalmente libertar o Brasil da Coroa Portuguesa. Ela foi reprimida, tal qual a ocorrida em Salvador e a revolução francesa, em 1789, quando Joaquim Silvério dos Reis traiu o movimento para conseguir o perdão da coroa.

A partir do momento da traição foi aberta uma Devassa, que pode ser compreendida como um processo judicial contra os inconfidentes:  Basílio de Brito Malheiro do Lago (delator), Inácio Correia Pamplona (delator), Francisco de Paula Freire de Andrade, Francisco Antônio de Oliveira Lopes, Domingos de Abreu Vieira e de Domingos Vidal Barbosa Lage.

Em Ouro Preto morreu Cláudio Manoel da Costa, no local em que hoje é ponto turístico da cidade, a Casa dos Contos.

Em 1792 doze inconfidentes foram condenados a morte, porém, como Tiradentes assumiu a autoria de toda a conspiração contra a coroa e se autodenominou líder do movimento, os demais ativistas tiveram a pena de morte comutada em pena de degredo, contudo Tiradentes foi morto no Rio de Janeiro no dia 21 de abril, que nos dias atuais é feriado nacional.

Na praça Tiradentes, em Ouro Preto fica localizado o Museu da Inconfidência, que comprovam tais acontecimentos, além de outros fatos como a escravidão de pessoas negras, a vida de Dom Pedro ao Brasil, entre outros. 

O Conservadorismo brasileiro 

O conservadorismo brasileiro não passa de uma herança deixada pelos europeus através das igrejas católicas instaladas no Brasil. Pois é um pais que carrega essa dualidade, de um povo que quer ser “correto” do ponto de vista religioso, ao mesmo passo em que está na lista dos 24 países com maior atividade de prostituição no mundo. 

É o país onde as pessoas vão à missas e cultos ao domingo, porém durante os quatro dias de carnaval fazem o que querem pelas ruas, dançam, bebem, se drogam, praticam atos sexuais exagerados, entre outras atividades recorrentes à época.

O pai de família conservador, que muitas vezes agride a esposa em casa, durante a noite procura diversão com travestis.  

Não realizamos uma análise coordenada nesta matéria, apenas levantando uma questão que é no mínimo curiosa, a dualidade comportamental do povo brasileiro. Que pode ser proveniente das variadas etnias que adentraram o país, como também a mescla de várias culturas, ou talvez seja a hipocrisia mesmo.

Cidades

É esse conservadorismo que conseguimos enxergar através dos prédios seculares das cidades aqui mencionadas e outras tantas espalhadas pelo país. Igualmente a resposta a ele.

Vale muito a pena conhecer esses lugares!






Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.